21 fevereiro 2017

[News] Ganhadores 69º WGA Awards

Dia 19 de fevereiro saiu os vencedores do WGA Awards, do sindicato de roteiristas americanos, através dessa lista temos um aquecimento do que poderá realmente acontecer no Oscar que acontece neste domingo.


Confira a lista de ganhadores!
Melhor Roteiro Original
A Qualquer Custo- Escrito por Taylor Sheridan
La La Land – Cantando Estações- Escrito por Damien Chazelle
Loving- Escrito por Jeff Nichols
Manchester à Beira-Mar- Escrito por Kenneth Lonergan
Moonlight: Sob a Luz do Luar- Escrito por Barry Jenkins, História por Tarell McCraney
Melhor Roteiro AdaptadoA Chegada- Roteiro por Eric Heisserer, baseado no Conto “Story of Your Life” de Ted Chiang
Deadpool-Escrito por Rhett Reese & Paul Wernick, baseado nos quadrinhos dos X-Men
Fences- Roteiro por August Wilson; Baseado em sua Peça
Estrelas Além do Tempo- Roteiro por Allison Schroeder e Theodore Melfi, baseado no Livro de Margot Lee Shetterly
Animais Noturnos- Roteiro por Tom Ford, baseado no Romance Tony and Susan de Austin Wright

Melhor Roteiro em Documentário
JT LeRoy – A História de Um Autor- Escrito por Jeff Feuerzeig
Command and Control- Teleroteiro por Robert Kenner e Eric Schlosser, História por Brian Pearle e Kim Roberts, baseado no Livro Command and Control de Eric Schlosser
Zero Days- Escrito por Alex Gibney


E vocês o que acharam dos premiados?

[Resenha] Entre Nós – Mais além da Escuridão 1


“Entre Nós” é o primeiro livro da série “Mais Além da Escuridão”, dos escritores Johnatan Souza e Cátia Mourão. A saga tem como personagens centrais os vampiros Donovan Hunter, Carlie Marie e o anjo caído Johnatan Fallen. No primeiro livro, Carlie, que vive sob a proteção de Donovan desde sua conversão, conhece Johnatan, quando Donovan se ausenta em uma viagem e se apaixona pelo anjo dando início a um romance turbulento, cheio de intrigas e ciúmes. Com o retorno de Donovan ela se vê dividida entre o vampiro que é sua única família há quase um século e o anjo caído com quem ela descobre o amor. Os conflitos gerados nesse triângulo e o retorno inesperado de antigos inimigos de Donovan vão gerar problemas que colocarão sua existência e a de seus amigos em risco. Batalhas, paixão, segredos revelados e novos personagens que surgem inesperadamente dão a tônica dessa nova série da literatura fantástica.


O que eu Achei?
Quem é fã de literatura nacional certamente já ouviu falar da autora Catia Mourão, sempre muito ativa e participativa em suas redes sociais, ela se juntou com o jovem autor Johnatan Souza para criar a série que reúne vampiros e anjos, divide os fãs nos times Donlie e Johnlie e desperta muita curiosidade naqueles que ainda não leram. Então bora conhecer um pouco mais desta saga.
Acompanhamos a história de Carlie Marie uma jovem vampira que tem seus passos metodicamente cuidados pelo seu tutor Donovan Hunter, um vampiro sexy e muito misterioso. No começo da nossa história ele está viajando e Carlie está solta alegre e contente por São Paulo, ela só não contava que um dos inimigos declarados dos vampiros, fosse se aproximar dela, muito menos com uma conotação romântica, e é justamente o que acontece. O anjo John se aproxima de Carlie para assumir o papel de Donovan em protege-la e revelar coisas que seu tutor esconde delas.
Quando Donovan volta de viagem a história pega fogo, o que começa com uma disputa amorosa se torna uma batalha épica com muito mais fatores e pessoas envolvidas do que qualquer um deles poderiam imaginar, principalmente Carlie. A mocinha se vê perdida, sem saber em quem confiar, com quem ficar, afinal nesta saga nenhum mocinho é completamente bom e inocente, e os vilões tem motivações desconhecidas por trás dos seus atos, que podem ser muito mais profundas do que parecem.
Este primeiro volume tem como principal função introduzir a saga que promete muito mais complexidade nos outros livros, por que sendo bem sincera este livro se encaixa no meio termo, nem bom, nem ruim, mas que pelo tanto que ouço falar deve ter uma grande evolução no enredo que nos é apresentado agora.Por mais que o vampiro e o anjo nos prendam nas páginas a mocinha é um tanto irritante e estou torcendo muito, por uma mudança e amadurecimento da parte dela.

Apesar dos pontos citados acima um dos principais pontos positivos do livro é a mistura do universo vampiresco com o angelical, não lembro de ter visto nada assim no mercado nacional, os autores conseguiram sustentar bem a junção das duas mitologias, sem confundir o leitor, mas preservando o ar misterioso característico de cada personagem, assim a Saga Mais Além da Escuridão agrada a todos os gostos de quem curte fantasia.

20 fevereiro 2017

[Música] Hoje Kut Cobain completaria 50 anos

 
Dia 20 de fevereiro de 1967 nascia Kurt Cobain, ídolo de várias gerações de roqueiros, com seu ritmo grounge e estilo totalmente alternativo, ele é responsável por popularizar as camisas de flanela e seus famosos tênis All Star. 
Numa época em que surgiu grandes bandas como Alice in Chains, Pearl Jam e SoundGarden, o Nirvana surgiu com um estilo único de tocar e cantar, dono de uma das vozes mais lindas, rasgadas e roucas Kurt infelizmente não durou tanto para que pudesse aproveitar seu sucesso. 

Kurt desde cedo teve problemas psicológicos, após seus pais se separarem quado tinha apenas 9 anos, a partir daí começaram a surgir pequenos distúrbios, segundo pessoas próximas, seu comportamento se tornou apático e introspectivo. Logo, sua adolescência também foi seguida de vários problemas até o momento em que acharam que a música "salvaria" Kurt. Infelizmente nem mesmo uma família composta por mulher e filha puderam salvar um ídolo da solidão que era viver isolado em seu próprio mundo.

Obviamente como fã já criei várias teorias conspirativas e imagináveis sobre a morte de um ídolo; Kurt escreveu uma das minhas músicas favoritas da vida: All Apologies.

Deixarei aqui meu Top 5 das músicas do Nirvana:

  1. All Apologies
  2. Smells Like Teen Spirit
  3. Lithium
  4. About a girl
  5. Dumb
Um amor chamado Kurt Cobain, sim eu chorei sua morte e até hoje suas músicas me emocionam. Que a vida de Kurt seja celebrada, um brinde à sua vida!

19 fevereiro 2017

[Texto] Carta de Augustus Water para Peter Van Houten

Van Houten,
Sou uma pessoa boa, mas um escritor de merda. Você é uma pessoa de merda, mas um bom escritor. Nós formaríamos uma bela equipe. Não quero lhe pedir nenhum favor, mas, se tiver tempo — e pelo que vi, você tem tempo de sobra —, fiquei me perguntando se poderia escrever um elogio fúnebre para a Hazel. Tenho algumas anotações e tudo mais, mas se você pudesse transformá-las num texto completo e coerente, e tal… Ou então só me dizer o que eu deveria escrever de forma diferente.
O bom da Hazel é o seguinte: quase todo mundo é obcecado por deixar uma marca no mundo. Transmitir um legado. Sobreviver à morte. Todos queremos ser lembrados. Eu também.
É isso o que me incomoda mais, ser mais uma vítima esquecida na guerra milenar e inglória contra a doença.

Eu quero deixar uma marca.

Mas, Van Houten: as marcas que os seres humanos deixam são, com frequência, cicatrizes. Você constrói um shopping center medonho ou dá um golpe de Estado ou tenta se tornar um astro do rock e pensa: ‚Eles vão se lembrar de mim agora‛, mas: (a) eles não se lembram de você, e (b) tudo o que você deixa para trás são mais cicatrizes. Seu golpe de Estado se transforma numa ditadura. Seu shopping center acaba dando prejuízo.
(Tá, talvez eu não seja um escritor tão de merda assim. Mas não consigo organizar minhas ideias, Van Houten. Meus pensamentos são estrelas que eu não consigo arrumar em constelações.)
Nós somos como um bando de cães mijando em hidrantes. Nós envenenamos as águas subterrâneas com nosso mijo tóxico, marcando tudo
como MEU numa tentativa ridícula de sobreviver à morte. Eu não consigo parar de mijar em hidrantes. Sei que é tolice e inútil — epicamente inútil em meu estado atual —, mas sou um animal como qualquer outro.
A Hazel é diferente. Ela anda suavemente, meu velho. Ela anda suavemente sobre a Terra. A Hazel sabe qual é a verdade: é tão provável que nós consigamos ferir o universo quanto é provável que nós o ajudemos, e é improvável que façamos qualquer uma dessas duas coisas.
As pessoas vão dizer que é triste o fato de ela deixar uma cicatriz menor, que menos pessoas se lembrem dela, que ela tenha sido muito amada mas não por muita gente. Mas isso não é triste, Van Houten. É triunfante. É heroico. Não é esse o verdadeiro heroísmo? Como dizem os médicos: em primeiro lugar, não cause dano ou mal a alguém.
Os verdadeiros heróis, no fim das contas, não são as pessoas que realizam certas coisas; os verdadeiros heróis são as que REPARAM nas coisas. O cara que inventou a vacina contra varíola não inventou nada, na verdade. Ele só reparou que as pessoas que tinham varíola bovina não pegavam varíola.
Depois que a minha tomografia acendeu como uma árvore de natal, eu entrei furtivamente na UTI e vi a Hazel quando ainda estava inconsciente. Entrei andando atrás de uma enfermeira de crachá e consegui me sentar ao lado da Hazel por, tipo, uns dez minutos antes de ser pego. Eu realmente achei que ela fosse morrer antes que eu pudesse lhe contar que também ia morrer. Foi brutal: o arengar mecanizado incessante da terapia intensiva. Havia uma água cancerosa escura pingando do peito dela. Os olhos fechados. Entubada. Mas a mão dela ainda era a mão dela, ainda quente, as unhas pintadas de um azul-escuro quase preto, e eu simplesmente segurei sua mão e tentei imaginar o mundo sem nós, e por mais ou menos um segundo fui uma pessoa boa o suficiente para torcer que ela morresse e nunca ficasse sabendo que eu também ia morrer. Mas aí eu quis mais tempo para que pudéssemos nos apaixonar. Creio que meu desejo foi realizado. Eu deixei a minha cicatriz.
Um enfermeiro chegou e me disse que eu precisava me retirar, que visitas não eram permitidas, e eu perguntei se ela estava melhorando. O
cara disse: ‚Ela ainda está fazendo água.‛ Bênção do deserto, maldição do oceano.
O que mais? Ela é tão linda! Não me canso de olhar para ela. Não me preocupo se ela é mais inteligente que eu: sei que é. É engraçada sem nunca ser má. Eu a amo. Sou muito sortudo por amá-la, Van Houten. Não dá para escolher se você vai ou não vai se ferir neste mundo, meu velho, mas é possível escolher quem vai feri-lo. Eu aceito as minhas escolhas. Espero que a Hazel aceite as dela.
Eu aceito, Augustus.
Eu aceito.



17 fevereiro 2017

[Nerds & Geek] Os melhores momentos de Doctor Who- Terceira e última parte da série sobre DW

    Olá, sejam bem-vindos à coluna geek!

  Essa semana marca a terceira-e última-parte da série de introdução a Doctor Who. Veremos quais foram os momentos mais marcantes do viajante de tempo (contando tanto a série clássica quanto a nova)

1)  A invasão Dalek na Terra

No ano de 1965,quando William Hartnell ainda interpretava o Primeiro Doutor, os temíveis Daleks conseguiram invadir nosso planeta com meteoros, fazem dos humanos seus escravos e decidiram cavar até chegar ao centro da Terra. E pensar que nós rimos deles por não conseguirem subir uma escada.

2) Túmulo dos Cybermen (1967)

Patrick Troughton, o Segundo Doutor, vai no planeta dos Cybermen em uma escavação arqueológica e tem uma tremenda surpresa ao descobrir que eles ainda estão bem vivos e são bem mais assustadores que os seus conterrâneos de fibra de vidro.

3) A morte verde (1973)

  Jon Pertwee, o Terceiro Doutor, tem que salvar o mundo de vermes gigantes verdes que foram lançados no País de Gales por um computador maléfico. Esse episódio marcou a última aparição de Katy Manning como a companion Jo Grant.

4) As sementes da perdição (1976)

Uma planta alienígena descoberta por cientistas na Antártica, começa a atacar pessoas e as transforma em monstros-plantas,O Quarto Doutor (Tom Baker) tem que salvar a Terra e tem várias aventuras ao longo do caminho-chega até a se enlistar na RAF!

5) As cavernas de Androzani (1984)

O Quinto Doutor (Peter Davison) se mete em uma caverna coberta por gosma alienígena e como a gosma é tóxica demais, o único jeito dele sobreviver é se regenerar. Foi o primeiro episódio em que Colin Baker apareceu como o Sexto Doutor.

6) Revelação dos Daleks (1985)

  O Sexto Doutor (Colin Baker) e sua companion Peri chegam ao planeta Necros para visitar um lugar chamado Tranquil Repose, onde os ricos podem congelar seus corpos até que a cura para suas doenças sejam encontradas. O Doutor descobre as verdadeiras intenções do criador da técnica.


7) As cavernas de Androzani (1989)

O Sétimo Doutor (Sylvester McCoy) e sua companion Ace tem que enfrentar uma maldição quando a TARDIS se materializa em uma base naval britânica na Segunda Guerra Mundial. A igreja do exército foi construída sobre túmulos vikings e em breve segredos serão revelados...

8) A criança vazia (2005)

Esse episódio é um dos mais sinistro episódios de DW ever. Na blitz de Londres dos anos 40, um garoto com uma máscara de gás vagueia pelos túneis procurando por sua mãe, perguntando a todos :´´Are you my mummy ´´ mas as pessoas se recusam a tocar nele, dizendo que ele não é um garoto de verdade. Esse episodio marca a primeira aparição do Capitão Jack Harkness, que mais tarde viria a estrear a série Torchwood.

9) Blink (2007)

 O Décimo Doutor (David Tennant, considerado por muitos, inclusive essa que vos escreve, o melhor doutor da nova geração até agora) conhece um de seus novos inimigos:os Weeping Angels. Sua companion da época, Martha Jones estava envolvida em outro projeto e não participou desse episódio, A garota que ajudou o Doutor foi Sally Sparrow (Carey Mulligan). Esse episódio é considerado um dos melhores escritos por Steven Moffat.

10) A besta de baixo (2010)

 O Décimo-Primeiro Doutor (Matt Smith) viaja muitos anos no futuro com sua companion Amy Pond e se depara com uma sociedade terráquea vivendo a bordo de uma nave em que as pessoas misteriosamente desaparecem se forem enganados pelos bonecos Smilers...

11) A invasão Zygon (2015)

O Décimo-Segundo Doutor (Peter Capaldi) tem que ajudar a humanidade, que está prestes a entrar em guerra com os Zygons . O discurso que ele profere é um dos melhores da série.

   Obs: o Oitavo Doutor (Paul McGann) só apareceu em um filme.

  Semana que vem a coluna voltará, dessa vez com um assunto novo!

[New] As melhores danças de casamento- by Maisa

Alguns vídeos de casamento tem emocionado os internautas e eu fiz a minha listinha de danças maravilhosas. Espero que gostem!

Pai e filha:
Noivo e seus padrinhos:
Esposa dançando Beyónce:
E dançando o meu tema favorito da vida:

E vocês tem algum vídeo favorito?




16 fevereiro 2017

[Resenha] A garota no gelo

Quando um jovem rapaz encontra o corpo de uma mulher debaixo de uma grossa placa de gelo em um parque de Londres, a detetive Erika Foster é chamada para liderar a investigação de assassinato.
A vítima, uma jovem e bela socialite, parecia ter a vida perfeita. Mas quando Erika começa a cavar mais fundo, vai ligando os pontos entre esse crime e a morte de três prostitutas, todas encontradas estranguladas, com as mãos amarradas, em águas geladas nos arredores de Londres.
Que segredos obscuros a Garota no gelo esconde?
O que eu achei?
Convocada para liderar a investigação do assassinato de uma jovem cujo corpo foi encontrado submerso num lago congelado, a Detetive Inspetora Chefe Erika Foster se vê envolvida numa trama de segredos obscuros e assassinatos.

A jovem era ninguém menos que Andrea Douglas-Brown, jovem e linda, que vivia para se divertir, filha de Sir Simon Douglas-Brown, um homem extremamente rico, cujos tentáculos de influencia e contatos poderosos se espalhavam por todas as classes e poderes, nos mais altos níveis e cargos imagináveis – o que não significa que todos os contatos eram honestos... Relatos de testemunhas não muito confiáveis dizem tê=la visto em dos dos pubs mais underground de Londres na noite de seu desaparecimento. O que será que ela fazia lá.

Erika carrega o trauma de ter presenciado a morte do marido, também policial, diante dos seus olhos, culpando-se, remoendo os acontecimentos e penando para se perdoar. Ela é uma mulher forte e determinada, mesmo às vezes duvidando de sua capacidade de foco, objetividade e discernimento durante a investigação da qual é a cabeça. E para piorar, se vê tendo que, em muitos momentos, se submeter as orcem de seus superior, que vão contra suas intuições sobre o caso e as pessoas envolvidas. Do  que será que todos tem tanto medo? Porque reviver o passado de Andrea parece assustar todos na delegacia?

O autor soube explorar o submundo dos pubs e casas noturnas londrinas, com drogas, bebidas e prostituição, de maneira excelente, mostrando como a sociedade londrina se mostra atualmente: hotéis e estabelecimentos de alta qualidade dividindo calçada com espeluncas frequentadas pelos piores tipos de pessoas, onde os ricos simplesmente ignoram a existência de toda aquela pobreza.

A atmosfera da delegacia, e também dos momentos onde ocorrem as investigações e as conversas entre os policiais, remete muito aos programas policiais dos anos 80/90, misturando o soturno com o dramático, mas com uma escrita leve e fluida – apesar do tema da história.

Um dos pontos mais interessantes do livro, deixando de lado o conteúdo, é a representatividade LGBT, onde dois personagens (um homem gay e uma mulher lésbica) não são, de forma alguma, meros coadjuvantes clichês para aliviar a tensão na história. Arrisco-me a dizer que – talvez – sejam esses dois os melhores personagens do livro.

Durante as investigações de Erika e sua equipe, informações e descobertas assustadoras são reveladas, que envolvem muito mais do que apenas vítima e criminoso nesse caso de assassinato. Há muito mais envolvido do que se possa imaginar. E muitas outras pessoas também... contudo, essas descobertas acabam causando muita dor de cabeça e repercutindo em vários âmbitos. Uma luta entre fazer o que é certo e fazer o que ordenado nasce na mente de Erika, e ela precisa agir, mesmo que isso lhe custe seu emprego, sua carreira.

Mesmo assim, em alguns momentos a história fica um pouco lenta, um pouco arrastada e sem muitas novidades, o que acaba por não nos envolver muito no momento descrito. Mas a reviravolta que surge em seguida consegue ser surpreendente, todas as vezes! Os diálogos mostram uma mentalidade um pouco utópica demais, às vezes durante os diálogos de Erika. Talvez um pouco pedante até. Algumas personalidades se mostram um pouco imaturas, e as falas, pouco envolventes. Erika em vários momentos deixa a desejar como mulher forte que está travando uma batalha interna: seus monólogos consigo mesma mais parecem conversas adolescente, fracos desabafos, faltando profundidade e maturidade. E às loucuras de alguns, falta um pouco de... loucura (não sei como dizer de outra forma)! Talvez se aprofundar de uma maneira mais sombria e soturna, mais desumana para dar mais equilíbrio.

Como é de praxe em toda delegacia que se preze, as personalidades machista, narcisistas e imperativas ao extremo se fazem presente nesse livro, e nessa hora a personalidade de Erika se torna incrivelmente bem estruturada, onde ela luta contra tudo e todos para fazer o certo e vingar o assassinato de uma jovem inocente, não medindo esforços e nem mesmo atitudes – mesmo que isso possa vir a afeta-la negativamente, e à polícia também. Ela não se rende ao jogo de poder, contatos e manipulações, onde tudo acontece na surdina e o silencio pode ser comprado com algumas centenas de libras. Impulsiva e determinada.

Quantos segredos escondem os Douglas-Brown? Quantos segredos esconde Andrea? E o que a revelaçães deles poderia causar à família e ao legados dos Douglas-Brown?

No geral, o livro foi bom, bem escrito e não muito cansativo, com um final que realmente conseguiu me surpreender e deixar de queixo caído. Mas ainda assim existem muitos aspectos que necessitam amadurecer na escrita, principalmente na construção das personalidades, que têm tudo para serem incríveis.

Jogo político, de poder e de influências; manipulação, segredos familiares sombrios e investigações impetuosas e incessantes na busca por justiça e verdade preenchem o livro A GAROTA NO GELO. Se você gosta do gênero, não vai se arrepender.

* O livro foi cedido pela Editora Gutenberg durante o evento de Aliança de Blogueiros- RJ.



15 fevereiro 2017

[Show] Marcelo Jeneci- 31/01

Dia 31 de janeiro fui conferir o show gratuito do Jeneci no shopping New York City Center. Neste show o projeto Mpb Hall se despediu, pois infelizmente saiu da rádio fm. Obviamente fiquei muito triste, então vou colocar aqui meu pesar tanto pela Mpb como a Rádio Cidade, infelizmente estas grandes estações não sobreviveram a crise brasileira. Enfim vamos ao conteúdo do show!

Cheguei super cedo e fique lá sentadinha em um dos muitos pufs do local, quando reparei uma certa movimentação e percebi que Marcelo estava atendendo os fãs, seja com uma selfie ou um bate- papo animado. Após atender a todos que estavam numa fila, Marcelo se retirou e retornou pontualmente às 19 hs.
Conheci o som, a melodia, o choro da música de Marcelo através de meu namorado Hugo e me encantei como alguém com um vocal tão simples e arranjos super organizados.

Marcelo Jeneci cantou e encantou durante pouco mais de uma hora, segue o setlist:
  1. Show de estrelas
  2. Café com leite de rosas
  3. O melhor da vida
  4. Quarto de dormir
  5. Pra sonhar
  6. Como a gente se distrai
  7. De graça
  8. Feito para acabar
  9. Aí sim
  10. Dar te ei
  11. Felicidade
Num dos melhores e mais intimistas shows de minha vida, presenciei o desabrochar incrível de um cantor maravilhoso, dono de uma voz capaz de levar- me a paz, multi instrumentista. Marcelo Jeneci me fez numa noite de 3ª feira sua fã, sim é verdade! Então vou deixar uma letra super linda para vocês:


Felicidade
Haverá um dia em que você não haverá de ser feliz
Sentirá o ar sem se mexer
Sem desejar como antes sempre quis
Você vai rir, sem perceber
Felicidade é só questão de ser
Quando chover, deixar molhar
Pra receber o sol quando voltar

Lembrará os dias
que você deixou passar sem ver a luz
Se chorar, chorar é vão
porque os dias vão pra nunca mais

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e depois dançar
Na chuva quando a chuva vem

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e dançar
Dançar na chuva quando a chuva vem

Tem vez que as coisas pesam mais
Do que a gente acha que pode aguentar
Nessa hora fique firme
Pois tudo isso logo vai passar

Você vai rir, sem perceber
Felicidade é só questão de ser
Quando chover, deixar molhar
Pra receber o sol quando voltar

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e depois dançar
Na chuva quando a chuva vem

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e dançar
Dançar na chuva quando a chuva vem

Dançar na chuva quando a chuva vem
Dançar na chuva quando a chuva
Dançar na chuva quando a chuva vem

Add a playlistTamanho
Confiram o vídeo que fiz durante o show:
E por último, mas não menos importante, algumas fotos do show:









14 fevereiro 2017

[New] Grammy 2017: Protestos, Adele & Homenagem à Cultura Africana


No último domingo (13), a 59º edição do Grammy Awards, a principal premiação do mundo da música. Responsável por classificar as melhores músicas e álbuns de 2016, o evento teve surpresas grandes como Adele ganhando os três principais prêmios pela música 'Hello' e pelo álbum '25'.

Maior surpresa foi ainda o que a cantora fez: Uma grande homenagem à Beyoncé, dizendo que era sua principal inspiração para continuar, e acabou repartindo o prêmio em dois e dividindo com a intérprete de 'Formation'.

"Meu coração e minha vida são Beyoncé e o álbum 'Lemonade' é tão monumental, tão monumental e tão bem pensado..."

Adele levou os prêmios Melhor Álbum, Melhor Gravação Melhor Música do Ano, os principais da noite, mais o de Melhor Álbum Pop Vocal. Já Beyoncé acabou levando somente dois prêmios, de Melhor Álbum Urbano Contemporâneo e Melhor Videoclipe. Confira a lista completa de ganhadores ao final desta matéria. 

Além destes grandes feitos, as performances foram o que, também, mais chamou a atenção durante a transmissão. Todos se perguntavam como Beyoncé conseguiria fazer uma interpretação estando grávida de gêmeos. O resultado foi surpreendente, começando com a celebração do amor, gravidez e uma grande referência à cultura africana, ao som de Love Drought e Sandcastles, ambas presentes no álbum ganhador. 
video
E pensaram que não iria rolar protesto? Katy Perry e SkipMarley deram um jeito nisso, e trouxeram ao público a performance de Chainned To The Rythm. Uma clara crítica social dizendo que todos vivem em suas casas, nas suas comodidades e esquecem do que é realmente importante, com uma grande imagem da Constituição Americana ao final. 
Não somente a dupla, mas também Anderson Paak, Busta Rhymes e A Tribe Called Quest, com a música Award Tour, onde claras referências ao atual presidente dos Estados Unidos. 

Outra pessoa que surpreendeu: Lady Gaga + Metallica. E apesar do erro técnico, em que o microfone do vocalista da banda parou de funcionar, a junção deu super certo e Gaga comprovou que é uma artista versátil dentro do Rock. 
Confira a lista completa de indicados e ganhadores dos prêmios:

Disco do Ano

  • Adele - "25"
  • Beyoncé - "Lemonade"
  • Drake - "Views"
  • Justin Bieber - "Purpose"
  • Sturgill Simpson - "A Sailor’s Guide to Earth"

Música do Ano

  • Beyoncé - "Formation"
  • Adele - "Hello"
  • Mike Posner - "I Took a Pill in Ibiza"
  • Justin Bieber - "Love Yourself"
  • Lukas Graham - "7 Years"

Gravação do Ano

  • Adele - "Hello"
  • Beyonce - "Formation"
  • Rihanna - "Work"
  • Twenty-One Pilots - "Stressed Out"
  • Lukas Graham - "7 years"

Revelação

  • Anderson Paak
  • Chance the Rapper
  • Maren Morris
  • The Chainsmokers
  • Kelsea Ballerini
Categorias Pop

Performance Solo de Pop

  • Adele - "Hello"
  • Beyoncé - "Hold Up"
  • Justin Bieber - "Love Yourself"
  • Kelly Clarkson - "Piece by Piece"
  • Ariana Grande - "Dangerous Woman"

Performance de dupla ou grupo pop

  • The Chainsmokers - "Closer" [ft. Halsey]
  • Lukas Graham - "7 Years"
  • Rihanna - "Work" [ft. Drake]
  • Sia - "Cheap Thrills" [ft. Sean Paul]
  • Twenty One Pilots - "Stressed Out"

Álbum pop vocal

  • Adele - 25
  • Justin Bieber - Purpose
  • Ariana Grande - Dangerous Woman
  • Demi Lovato - Confident
  • Sia - This Is Acting

Álbum Pop Tradicional

  • Andrea Bocelli - Cinema
  • Bob Dylan - Fallen Angels
  • Josh Groben - Stages Live
  • Willie Nelson - Summertime: Willie Nelson Sings Gershwin
  • Barbra Streisand - Encore: Movie Partners Sing Broadway
Categorias rock

Performance Rock

  • "Joe" (Live From Austin City Limits) - Alabama Shakes
  • "Don't Hurt Yourself" - Beyoncé e Jack White
  • "Blackstar" - David Bowie
  • "The Sound Of Silence" (Live On Conan) - Disturbed
  • "Heathens" - Twenty One Pilots

Performance Metal

  • "Shock Me" - Baroness
  • "Silvera" - Gojira
  • "Rotting In Vain" - Korn
  • "Dystopia" - Megadeth
  • "The Price Is Wrong" - Periphery

Canção de Rock

  • "Blackstar" - David Bowie
  • "Burn The Witch" - Radiohead
  • "Hardwired" - Metallica
  • "Heathens" - Twenty One Pilots
  • "My Name Is Human" - Highly Suspect

Álbum Rock

  • California - Blink-182
  • Tell Me I'm Pretty - Cage The Elephant
  • Magma - Gojira
  • Death Of A Bachelor - Panic! At The Disco
  • Weezer - Weezer
Categoria alternativa:

Álbum de música alternativa

  • Bon Iver - 22, A Million
  • David Bowie - Blackstar
  • PJ Harvey - The Hope Six Demolition Project
  • Iggy Pop - Post Pop Depression
  • Radiohead - A Moon Shaped Pool
Categorias R&B

Performance R&B

  • BJ the Chicago Kid - "Turnin’ Me Up"
  • Ro James - "Permission"
  • Musiq Soulchild - "I Do"
  • Rihanna - "Needed Me"
  • Solange - "Cranes in the Sky"

Performance de R&B Tradicional

  • William Bell - "The Three of Me"
  • BJ The Chicago Kid - "Woman’s World"
  • Fantasia - "Sleeping with the One I Love"
  • Lalah Hathaway - "Angel"
  • Jill Scott - "Can’t Wait"

Música R&B

  • PartyNextDoor feat. Drake - "Come See Me"
  • Bryson Tiller - "Exchange"
  • Rihanna - "Kiss It Better"
  • Maxwell - "Lake By the Ocean"
  • Tory Lanez - "Luv"

Álbum 'urbano' cotemporâneo

  • Beyoncé - Lemonade
  • Gallant - Ology
  • KING - We Are King
  • Anderson .Paak - Malibu
  • Rihanna - Anti

Álbum de R&B

  • BJ The Chicago Kid - In My Mind
  • Lalah Hathaway - Lalah Hathaway Live
  • Terrace Martin - Velvet Portraits
  • Mint Condition - Healing Season
  • Mya - Smoove Jones
Categorias rap

Performance Rap

  • Chance the Rapper - "No Problem" [ft. 2 Chainz and Lil Wayne]
  • Desiigner - "Panda"
  • Drake - "Pop Style" [ft. The Throne]
  • Fat Joe / Remy Ma - "All the Way Up" [ft. French Montana and Infrared]
  • Schoolboy Q - "That Part" [ft. Kanye West]

Performance vocal rap

  • Beyoncé - "Freedom" [ft. Kendrick Lamar]
  • Drake - "Hotline Bling"
  • D.R.A.M. - "Broccoli" [ft. Lil Yachty]
  • Kanye West - "Ultralight Beam" [ft. Chance the Rapper, Kelly Price, Kirk Franklin and The-Dream]
  • Kanye West - "Famous" [ft. Rihanna]

Música Rap

  • Fat Joe / Remy Ma - "All the Way Up" [ft. French Montana and Infrared]
  • Kanye West - "Famous" [ft. Rihanna]
  • Drake - "Hotline Bling"
  • Chance the Rapper - "No Problem" [ft. 2 Chainz and Lil Wayne]
  • Kanye West - "Ultralight Beam" [ft. Chance the Rapper, Kelly Price, Kirk Franklin and The-Dream]

Álbum de Rap

  • Chance the Rapper - Coloring Book
  • De La Soul - and the Anonymous Nobody...
  • DJ Khaled - Major Key
  • Drake - Views
  • Schoolboy Q - Blank Face LP
  • Kanye West - The Life of Pablo
Categorias country

Performance solo country

  • "Love Can Go to Hell" – Brandy Clark
  • "Vice" – Miranda Lambert
  • "My Church" – Maren Morris
  • "Church Bells" – Carrie Underwood
  • "Blue Ain't Your Color" – Keith Urban

Performance country de duo ou grupo

  • "Different for Girls" – Dierks Bentley featuring Elle King
  • "21 Summer" – Brothers Osborne
  • "Setting the World on Fire" – Kenny Chesney & P!nk
  • "Jolene" – Pentatonix featuring Dolly Parton
  • "Think of You" – Chris Young with Cassadee Pope

Canção country

  • "Blue Ain't Your Color - Keith Urban
  • "Die a Happy Man" - Thomas Rhett
  • "Humble and Kind" - Tim McGraw
  • "My Church" - Maren Morris
  • "Vice" - Miranda Lambert

Álbum country

  • Big Day in a Small Town – Brandy Clark
  • Full Circle – Loretta Lynn
  • Hero – Maren Morris
  • A Sailor's Guide to Earth – Sturgill Simpson
  • Ripcord – Keith Urban
Categorias dance/eletrônica:

Gravação de Dance Music

  • "Tearing Me Up" - Bob Moses
  • "Don't Let Me Down" - The Chainsmokers Featuring Daya
  • "Never Be Like You" - Flume Featuring Kai
  • "Rinse & Repeat" - Riton Featuring Kah-Lo
  • "Drinkee" - Sofi Tukker

Disco de Dance Music/Música Eletrônica

  • Skin - Flume
  • Electronica 1: The Time Machine - Jean-Michel Jarre
  • Epoch - Tycho
  • Barbara Barbara, We Face A Shining Future - Underworld
  • Louie Vega Starring...XXVIII - Louie Vega
Outras categorias

Disco de world music

  • Dois Amigos, Um Século De Música: Multishow Live — Caetano Veloso & Gilberto Gil
  • Destiny — Celtic Woman
  • Walking in the Footsteps of Our Fathers — Ladysmith Black Mambazo
  • Sing Me Home — Yo-Yo Ma & The Silk Road Ensemble
  • Land of Gold — Anoushka Shankar

Disco de jazz latino

  • 30 — Trio Da Paz
  • Entre Colegas — Andy González
  • Madera Latino: A Latin Jazz Perspective on the Music of Woody Shaw — Brian Lynch & various artists
  • Canto América — Michael Spiro/Wayne Wallace La Orquesta Sinfonietta
  • Tribute to Irakere: Live in Marciac — Chucho Valdés

Videoclipe

  • Beyoncé - "Formation"
  • Leon Bridges - "River"
  • Coldplay - "Up & Up"
  • Jamie xx - "Gosh"
  • OK Go - "Upside Down & Inside Out"

Filme sobre música

  • Steve Aoki - I’ll Sleep When I’m Dead
  • The Beatles - The Beatles: Eight Days a Week The Touring Years
  • Beyoncé - Lemonade
  • Yo-Yo Ma & the Silk Road Ensemble - The Music of Strangers
  • Vários artistas - American Saturday Night: Live from the Grand Ole Opry

Produtor do ano - não clássico

  • Benny Blanco
  • Greg Kurstin
  • Max Martin
  • Nineteen85
  • Ricky Reed

Fonte: G1.